quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Instante.

Os anos abraçam meses e os meses guardam dias nos bolsos, amachucados em folhas que decoram o fundo do latão do lixo.

... E às vezes abrimos os olhos. Abrimos os olhos como se nunca o tivéssemos feito antes, como se a vida para trás não houvesse vivido, como da primeira vez. As palavras não deixam de ser palavras nem o escritor esquece o que escreveu. Às vezes... às vezes o instante leva a melhor. Em cada instante fica um livro por narrar, um filme por rodar, um poema por declamar.

Ai o que eu perco num instante.